segunda-feira, 28 de dezembro de 2009

Para descontrair: línguas em contato e as aulas de inglês





Para quem não conhece o Motoboy, personagem do ator Marco Luque Silas no programa humorístico "Terça Insana", vale a pena conferir o Youtube esta crítica bem-humorada.

Feliz 2010 com muitos sorrisos!
Selma

Conheça o Insituto Socio-Ambiental



Quem se interessa pela educação bilíngue indígena não pode deixar de conhecer o site do Instituto Sócio-Ambiental. Na verdade, um portal que reúne uma grande quantidade de informações úteis e interessantes para a pesquisa.

Confira no link http://www.socioambiental.org
(Clique no título desta postagem para seguir o link, ou cole o endereço acima no seu navegador)

domingo, 27 de dezembro de 2009

12th BRAZ-TESOL National Convention, São Paulo, jul/2010



The Academic Committee invites all BRAZ-TESOLERS - teachers, teacher trainers, researchers, program administrators, and material writers – to submit proposals for presentations.

The closing date for receipt of proposals is February 28, 2010, but we encourage you to submit your work as early as possible. Visit our website to submit your proposal form (www.braz-tesol.org.br).
All proposals will be read by members of the Academic Committee and designated readers, and notification of acceptance will be sent by mid- April, 2010.

All presenters must be BRAZ-TESOL members, and must register for the convention before submitting a proposal.

Obs: Workshops, papers and talks at BT conventions are usually conducted in English; however, proposals for presentations in Portuguese will be considered.

Closing Date: February 28th, 2010

We look forward to hearing from you!

Vinicius Nobre

BRAZ-TESOL
First Vice President
www.braztesol.org.br

12th National Convention
Academic Chair
vini.n@terra.com.br



The 12th BRAZ-TESOL National Convention “The Art of Teaching” will be held in São Paulo, from July 19 to 22 at Escola Beit Yaacov.

A forum for professionals in the field of English Language Teaching, the convention promotes the discussion of theoretical and practical issues related to the teaching of English to Speakers of other languages.

It is a unique opportunity for BRAZ-TESOL members and international colleagues to get together present their work and reflect on their practice. Renowned specialists in ELT will be giving specialized courses as well, besides leading workshops and delivering papers and plenary talks.

Call for Papers
The Academic Committee invites all BRAZ-TESOLERS - teachers, teacher trainers, researchers, program administrators, and material writers – to submit proposals for presentations.

The closing date for receipt of proposals is February 28, 2010, but we encourage you to submit your work as early as possible. Click here to submit your proposal form.

All proposals will be read by members of the Academic Committee and designated readers, and notification of acceptance will be sent by mid-April, 2010.

All presenters must be BRAZ-TESOL members, and must register for the convention before submitting a proposal.

Obs: Workshops, papers and talks at BT conventions are usually conducted in English; however, proposals for presentations in Portuguese will be considered.

Closing Date: February 28th, 2010

Get more information at: http://www.braztesol.org.br

quarta-feira, 23 de dezembro de 2009

Does Bilingual Ed Work?


It seems logical: if a student needs to learn English, put them in an English-language classroom. But research and experience underscore the importance of bilingual education.

By James Crawford

Disponível em http://www.rethinkingschools.org/special_reports/bilingual/biside.shtml (Clique no título da postagem para ser direcionado ao logal original)

(NOTE: The footnotes in this article are hot-linked. Click on the highlighted number to go directly to that footnote. Click on the number in front of the footnote to return to the place in the article you just left.)

Bilingual education is counterintuitive. Most people wonder: How could teaching students in their native tongue help them learn English?

Many assume the idea of bilingual education is to go easy on limited-English-proficient (LEP) children, to postpone the pain and confusion of acquiring a new language. They wonder if it wouldn't be better to teach the students English quickly - through "total immersion" - so they can get on with their schooling. Won't it lessen their motivation to learn by prolonging reliance on the first language?

Such attitudes sustained generations of "sink or swim" schooling. LEP students were placed in English-only classrooms, with no special help in learning the language and no access to the curriculum until they did so. Inevitably they fell behind English-speaking peers. Some caught up, but many failed and dropped out.

By the 1960s, a critical mass of educators and policymakers recognized the English-only approach was failing. Bilingual education seemed like a promising, if untested, alternative.

Three decades later, research has confirmed the wisdom of this view. Over the long term, programs that develop children's native-language skills show beneficial effects on their English-language development and overall academic achievement.

Yet skepticism persists. During the Proposition 227 campaign, journalists repeatedly asked: "If bilingual education is effective, why are language-minority students - Latinos in particular - continuing to fail and drop out at alarming rates?" There are several answers.

First, the shortage of trained staff has grown increasingly acute in states like California, where LEP enrollments have risen rapidly. As a result, well-designed bilingual programs have been provided to only a tiny minority of English learners. 1

Second, research shows that students drop out for many reasons. Those who received bilingual education are more likely to stay in school. 2

Finally, native-language instruction is hardly a panacea for the academic problems of Latino or Asian students - any more than it is for Anglo students. It is merely one variable among many that determines the success or failure of an educational program.

Nevertheless, bilingual education can be a crucial variable for many students learning English. Stephen Krashen, a linguist at the University of Southern California, explains how it works:

We acquire language by understanding messages, by obtaining comprehensible input. When we give children quality education in their primary language, we give them two things:

1. Knowledge, both general knowledge of the world and subject-matter knowledge, [which] helps make the English they hear more comprehensible. This results in more English acquisition. ...
2. Literacy, which transfers across languages. Here is a simple, three-step argument: (1) We learn to read by reading, by making sense of what we see on the page. (2) If we learn to read by reading, it will be much easier to learn to read in a language we already understand. (3) Once you can read, you can read. The ability to read transfers across languages. 3 [Emphasis added.]
Thus, time spent studying in the native language is not time wasted in learning English. To the contrary, it supports English acquisition.

Like other researchers in the field, Krashen advocates English instruction from day one in bilingual programs, but at a level students can understand. Beginners acquire conversational English from hearing it used in simple, real-life contexts, such as music, art, and physical education.

Intermediate learners can benefit from "sheltered instruction" in English, lessons in science or social studies that are tailored to their level of second-language proficiency. Gradually, they acquire the complex English skills required to make a successful transition to the mainstream - typically by the fourth or fifth grade.

The key point is that language acquisition is a natural, developmental process that cannot be rushed. Indeed, placing children in incomprehensible classrooms and drilling them in meaningless exercises is likely to slow them down.

Still, hopes for a shortcut to English die hard - as shown by Californians' vote to mandate a one-year "English immersion" approach that has no support in educational research.

Critics say bilingual education has no support either, citing mixed results in program evaluation studies. It is true that such findings are less clear-cut than conclusions from basic research on second-language acquisition.

Scientific comparisons of program effectiveness, which must track student outcomes over several years and control for differences among experimental groups, are difficult to design and costly to execute. Relatively few such studies exist. The best examples, however, confirm hypotheses about the benefits of bilingual instruction.

Last year, using a sophisticated technique known as meta-analysis, a University of Texas study reviewed the scientific literature and found a small but significant edge for programs that used students' native language over those that did not. Researcher Jay Greene determined that the more rigorous the evaluation, the more support it provided for bilingual education. 4 This was true even though many of the comparisons were short-term and little was known about program design.

The last large-scale evaluation, released by the U.S. Department of Education in 1991, took a more controlled approach. It compared the outcomes of three distinct program types: English-only immersion, quick-exit (transitional) bilingual education, and late-exit (developmental) bilingual education. Students' academic progress, charted in nine school districts over a four-year period, was most dramatic in the program that stressed fluent bilingualism. In the late-exit model, their achievement accelerated over time - almost catching up with that of English-speaking peers. In the other models, it leveled off well below national norms. 5

Wayne Thomas and Virginia Collier, of George Mason University, recently reported similar patterns in a larger group of school districts. They found that LEP children fared best in "two-way" bilingual programs, learning alongside English-speakers acquiring Spanish. 6 Thus far, however, the researchers have released limited data to support their conclusions - an issue that critics have been quick to seize upon.

In 1997, the National Research Council condemned the "politicized" debate over language of instruction. It recommended greater emphasis on "finding a set of program components that works for the children in the community of interest, given the community's goals, demographics, and resources." 7

Nevertheless, the "what works" controversy is unlikely to subside anytime soon - at least not before policymakers support more extensive and rigorous studies comparing the range of program alternatives for LEP students.

Footnotes
1. California Language Census, summarized in James Crawford, Bilingual Education: History, Politics, Theory, and Practice, 4th ed. (Los Angeles: Bilingual Educational Services, 1998).

2. Stephen Krashen, "The Dropout Argument" (1998), available online at: http://www-rcf.usc.edu/~cmmr/krashen_dropouts.html.

3. Under Attack: The Case Against Bilingual Education (Culver City, Calif.: Language Education Associates, 1996), pp. 3-4.

4. A Meta-Analysis of the Effectiveness of Bilingual Education (Claremont, Calif.: Tomas Rivera Policy Institute, 1998). Greene's results confirmed those of a similar study by Ann Willig in 1985, "A Meta-Analysis of Selected Studies on the Effectiveness of Bilingual Education," Review of Educational Research 55: 269-317.

5. J. David Ram'rez, Sandra D. Yuen, and Dena R. Ramey, Final Report: Longitudinal Study of Structured Immersion Strategy, Early-Exit, and Late-Exit Transitional Bilingual Education Programs for Language-Minority Children. Executive Summary (San Mateo, Calif.: Aguirre International, 1991).

6. School Effectiveness for Language Minority Students (Washington, D.C.: National Clearinghouse for Bilingual Education, 1997) available online at: http://www.ncbe.gwu.edu/ncbepubs/resource/effectiveness/index.htm.

7. Improving Schooling for Language-Minority Children: A Research Agenda (Washington, D.C.: National Academy Press, 1997), p. 138.


Winter 1998/99

Educação Bilíngue na escola pública

Salas bilingües português-alemão em Pomerode

Projeto piloto de salas bilingües português-alemão apresenta desempenho acima do esperado
(Originalmente disponível em http://www.belasantacatarina.com.br/noticias/2008/08/06/Salas-bilingues-portugues-alemao-em-Pomerode-3334.html)

Para os alunos do 1º ano do Ensino Fundamental da Escola Básica Municipal Olavo Bilac, em Pomerode, retornar à sala de aula e enfrentar o início do segundo semestre letivo é motivo de plena satisfação. Para eles, é hora de dar continuidade a um projeto único, cujo desempenho está se saindo acima do esperado. Desde abril, o grupo participa da primeira experiência de salas bilíngües português-alemão já aplicada na rede pública de ensino.

Os conteúdos ministrados diariamente vão de acordo com a proposta curricular do 1º ano, como em qualquer outra escola. A diferença é que as disciplinas, tais como Matemática, Ciências, História e Geografia, são trabalhadas nas duas línguas. Com a intervenção de uma professora regente, os alunos aprendem tanto na língua pátria quanto na língua dos imigrantes, em situações reais de fala, sob intenção de torná-los proeficientes nas mesmas.

Antes da implantação das salas-piloto em Pomerode, a Secretaria Municipal de Educação e Formação Empreendedora buscou referenciais de metodologia junto à escola Kinderland, de Curitiba, e escola Brums, de Porto Alegre. Assim, a grade curricular conta com 15 aulas em português, contra dez em alemão, tomando por base métodos de ensino aplicados com sucesso nestas e em outras escolas bilíngües de rede particular.

Em apenas dois meses de “laboratório”, os resultados do projeto já se apresentam bastante positivos. Segundo avaliação promovida pela própria Secretaria de Educação, os alunos que freqüentam as turmas bilíngües detêm o mesmo nível de desenvolvimento de escrita em relação aos estudantes de 1ª ano das outras escolas municipais. “As duas turmas atingiram a meta estabelecida para o primeiro semestre, portanto estamos garantindo a elas o direito de se alfabetizarem na Língua Portuguesa”, ressalta a Secretária de Educação, Neuzi Schotten.

Na cidade que tem o uso da língua alemã como uma constante nas relações do cotidiano, os pais apontam a interação com a família como um dos benefícios que o projeto já demonstra trazer às crianças. “Meu sogro está todo orgulhoso porque agora meu filho fala com ele em língua alemã”, retrata Tarcisio Mensor, pai de Andrei, de seis anos. Até mesmo nas casas em que só se falava em português, a história se repete. “O pequeno está ensinando a irmã maior a falar as palavras novas que aprendeu. É surpreendente porque, embora meu marido seja de ascendência alemã, ninguém falava em alemão lá em casa”, conta Siderlene Müller, orgulhosa mãe de Mateus, de seis anos.

Salas português-alemão são alternativa à perda da identidade lingüística

Nas escolas da rede municipal de Pomerode, os alunos das séries finais do Ensino Fundamental possuem aulas de alemão no currículo desde 1987. No ano de 2006, o ensino obrigatório da língua alemã se estendeu a todas as séries do Ensino Fundamental. No entanto, o tempo reservado para o aprendizado do alemão como língua estrangeira não garante a sua efetiva aprendizagem, segundo estudo apresentado pelo Instituto de Investigação e Desenvolvimento em Política Lingüística de Florianópolis.

Ano após ano, é notada na comunidade uma grande diminuição no número de jovens que falam a língua de modo fluente no dia-a-dia. “Trata-se de uma perda lingüística lamentável não só para a história do povo pomerodense, como também para a projeção do futuro profissional destes indivíduos”, analisa a educadora Ana Cristina Buettgen, coordenadora do projeto de salas bilíngües em Pomerode. A implantação das salas português-alemão surgiu então como uma alternativa para refrear a perda desta identidade lingüística entre a população.

A promoção do ensino bilíngüe no currículo escolar das escolas municipais era intenta pela Secretaria de Educação e pela Fundação Cultural de Pomerode já há alguns anos. Porém, em 2007, o governo municipal firmou os primeiros passos para a sua efetiva implantação. O prefeito Ércio Kriek levou ao conhecimento da equipe municipal de educação o projeto de salas bilíngües português-alemão existentes em Berlin, apresentadas pela educadora alemã Bárbara Beuthan durante o Encontro Brasil-Alemanha, realizado em Blumenau. Desde então, a iniciativa pomerodense foi tomando corpo e obtendo novas parcerias.

Para 2009, a Secretaria Municipal de Educação e Formação Empreendedora pretende manter a oferta de salas bilíngües às turmas de 1º ano da Escola Olavo Bilac, bem como prorrogar o ensino aos alunos que iniciaram o projeto neste ano. Uma terceira sala bilíngüe também deverá ser aberta em outra unidade escolar da rede municipal.

Mais informações:

Secretaria de Educação e Formação Empreendedora
Ana Cristina K. Buettgen - 3387-2612
semed@pomerode.sc.gov.br

Ensino-Aprendizagem Integrado de Língua e Conteúdos

O que é o CLIL?
(Originalmente disponível no Goethe Institute - http://www.goethe.de/ges/spa/dos/ifs/pt2747558.htm)
Desde sempre, o interesse por métodos alternativos para o ensino de línguas e consequente compreensão de culturas estrangeiras foi muito grande.
Na Antiguidade, por exemplo, existiram propostas para se aprender uma outra língua e simultaneamente conhecer uma outra cultura directamente no país de origem dessa mesma língua. Na Idade Média muitas pessoas falavam mais do que uma língua, sabendo-se que à excepção do Latim nenhuma outra língua era ensinada de forma sistemática quer nas escolas monásticas, quer nas outras instituições de ensino. À semelhança da língua materna, as línguas estrangeiras eram aprendidas através do contacto com falantes nativos, o que acontecia sobretudo para facilitar as próprias necessidades comerciais e profissionais. De forma semelhante, as governantas das casas da nobreza e de famílias burguesas abastadas dos séculos XVIII e XIX, desempenharam um papel idêntico, contribuindo para uma melhor aprendizagem das línguas estrangeiras dos seus pupilos: a governanta usava o Francês, a sua língua materna, para ensinar as crianças. De uma "forma natural", as crianças assimilavam esta língua como língua estrangeira ou mesmo como segunda língua, utilizando-a para estudar os conteúdos de História, Geografia ou de outras disciplinas. Já na Antiguidade e na Idade Média, mas mais ainda nos séculos XVIII e XIX, existe este princípio base do ensino bilingue integrado: aprender de forma integrada uma língua estrangeira e um conteúdo disciplinar, utilizando a língua estrangeira como língua de trabalho.

Métodos alternativos para a aprendizagem técnica e especializada

Desde há algum tempo que existem escolas por todo o mundo nas quais todas as suas disciplinas são ensinadas numa das grandes línguas culturais universais, em vez de seguirem a língua nacional. As escolas alemãs no estrangeiro, os liceus franceses, as escolas internas britânicas e já há algum tempo as escolas criadas por instituições europeias para as crianças dos seus funcionários são exemplos modernos de métodos alternativos que divergem da instrução curricular tradicional e que utilizam o princípio do ensino bilingue, ou seja, a integração de uma língua estrangeira com as matérias disciplinares da escola.
É no entanto de salientar que as escolas acima mencionadas são quase exclusivamente escolas de "elite". Este conceito de escola de "Elite" deve-se não apenas às elevadas capacidades intelectuais dos seus estudantes como também às condições financeiras favoráveis dos seus pais que os podem inscrever nestas escolas. Ao longo do tempo, este processo de selecção levou a que este método atractivo de aprendizagem estivesse somente disponível para uma minoria de jovens. Através da criação dos chamados "ramos bilingues" nas escolas de ensino unificado e secundário, especialmente na Alemanha e na Áustria na segunda metade do século XX, o ensino curricular bilingue tornou-se acessível aos alunos de todas as classes sociais. A política da língua da União Europeia (todo o cidadão da UE deverá estar apto a falar pelo menos duas línguas do espaço europeu além da sua língua materna) resultou num maior apoio e aceitação do ensino curricular bilingue por toda a Europa.

Multiplicidade de conceitos

O número de conceitos que se referem a esta ideia didáctica é surpreendentemente vasto. O conceito alemão Bilingualer Sachfachunterricht (ensino curricular bilingue), de facto algo ambíguo, pode ser também definido como Gebrauch der Fremdsprache als Arbeitssprache (uso da língua estrangeira como língua de trabalho), originando uma perspectiva diferente sobre toda a questão. No contexto linguístico inglês existem definições como Teaching Content through a Foreign Language (ensino de conteúdos através de uma língua estrangeira), Dual Focussed Instruction (instrução focada em dois ou mais intervenientes), Bilingual Content Teaching (ensino de conteúdos bilingues) ou mesmo Content Based Language Teaching (ensino de conteúdos baseados na linguagem). Mesmo estes termos exemplificam como o conceito base da aprendizagem bilingue é interpretado de formas diferentes.
Na última década, nos países de língua inglesa e francesa, impôs-se cada vez mais a seguinte terminologia: Content and Language Integrated Learning (abreviado CLIL) ou Enseignement d’une Matière par l’Integration d’une Language Etrangère (abreviado EMILE). Embora o conceito de Bilingualer Sachfachunterricht (ensino curricular bilingue) continue oficialmente a ser utilizado no espaço linguístico alemão, são visíveis as tentativas de transpor o conceito inglês CLIL para alemão (por exemplo, Integriertes Fremdsprachen- und Sachfachlernen- ensino curricular bilingue integrado). É de saudar que, apesar da diversidade na interpretação do conceito, já se comece a cristalizar um único termo que permita uma abordagem imparcial. No entanto, é também necessária uma definição concreta que inclua a multiplicidade implícita nestes conceitos. Essa definição já foi proposta no início deste século (comp. Marsh & Langé, 2002) e foi apresentada sob forma ligeiramente alterada no Relatório Eurydice da União Europeia (comp. Relatório Eurydice, 2006). Esta diz o seguinte:


"A sigla CLIL é utilizada como termo genérico para descrever todo o tipo de disposições, nas quais uma segunda língua (uma língua estrangeira, regional ou minoritária e/ou outra língua oficial nacional) é utilizada para ensinar determinadas matérias curriculares e não para o ensino da língua em si."

Uma ferramenta para a promoção das línguas estrangeiras

A definição sublinha que numa escola CLIL não é a matéria curricular no seu todo que é leccionada numa língua estrangeira, mas apenas um conjunto de matérias específicas. O ensino CLIL distingue-se do exemplo das escolas estrangeiras acima referidas e das escolas da União Europeia nas quais toda a matéria curricular é realizada numa outra língua estrangeira. Além disto, o CLIL difere do immersion instruction do Canadá no qual a instrução como um todo é normalmente transmitida numa língua estrangeira sem assegurar o desenvolvimento das competências por parte dos estudantes relativamente à língua estrangeira em questão. Nas chamadas immersion classes não existe ensino de língua estrangeira. Por sua vez, o ensino CLIL é acompanhado por um ensino normal ou parcialmente alargado da língua estrangeira, havendo nele também lugar ao ensino de línguas em si, especialmente quando a matéria disciplinar assim o requer. Isto significa portanto que a instrução CLIL é uma forma verdadeiramente integrada de linguagem e de ensino das matérias disciplinares.
Como exemplifica o Relatório Eurydice e outras pesquisas, as matérias disciplinares, que a definição não especifica com maior exactidão, são sobretudo matérias nas áreas das ciências sociais e humanas, isto é, História, Geografia e Estudos Sociais. Mas as matérias nas áreas das ciências naturais e artes acabam também por ser ensinadas noutra língua.

Não limitar o ensino às línguas estrangeiras tradicionais

No contexto da definição é relevante o facto de as línguas CLIL não estarem limitadas apenas às línguas estrangeiras tradicionais, mas abrangerem também línguas minoritárias, regionais ou outras línguas oficiais do país em questão. Com isto, a definição evidencia que o CLIL não é somente uma ferramenta político-linguística para a promoção de línguas estrangeiras, especialmente a do Inglês, podendo servir também para a promoção de línguas com poucos falantes. O Sórbio na Alemanha ou o Bretão na França, línguas minoritárias definidas geograficamente, inserem-se tanto neste grupo como línguas minoritárias, que são línguas maioritárias em países vizinhos, como o Francês no Vale de Aosta ou o Alemão na Alsácia-Lorena. Línguas minoritárias socialmente definidas podem ser promovidas pelo CLIL; um exemplo disso é o Turco na Alemanha, que é utilizado num número de escolas técnico-profissionais no ensino de disciplinas como a Economia. Outras línguas oficiais nacionais são promovidas na Suíça por exemplo através do ensino CLIL.
O raio de acção do ensino CLIL

O CLIL é adequado tanto para o nível primário e secundário como para o sector terciário. Numa série de países europeus, determinadas áreas de ensino são ensinadas numa língua estrangeira já na escola primária. O CLIL está sobretudo presente no ensino secundário, e também na Alemanha não se limita apenas ao liceu. Muitas das escolas técnico-profissionais utilizam esta ferramenta didáctica para ligarem o ensino da disciplina ao ensino da língua estrangeira. Finalmente é de referir que a duração do ensino CLIL pode variar consideravelmente; alguns programas duram apenas algumas semanas, outros podem atingir um período de seis anos.
Concluindo, resta discutir uma última questão que, atendendo à "neutralidade" pela qual a definição de CLIL sempre se pautou, não se evidencia. Até à data, o conceito didáctico que subjaz ao CLIL era maioritariamente "propriedade" dos professores de línguas estrangeiras. Isto não é de surpreender na medida em que a aquisição altamente competente de uma língua estrangeira no contexto de uma estrutura com esta abordagem tem algo de fascinante que às vezes é um pouco ensombrada pela aquisição dos conteúdos disciplinares na qual está a ser ensinada. Até há muito pouco tempo, a didáctica do ensino curricular quase não se ocupou com a abordagem CLIL, chegando mesmo a rejeitá-la por não lhe reconhecer nenhum valor acrescentado e por não se querer transformar num instrumento subsidiário do ensino da língua estrangeira. Porém, nos últimos anos fez-se notar uma mudança de opinião, especialmente devido a recomendações e directrizes que tornaram evidentes que o ensino curricular bilingue assenta nos princípios da didáctica das disciplinas escolares e que a aquisição dos conteúdos das disciplinas é tão importante como a aprendizagem de uma língua. Além disso, pôde demonstrar-se através de primeiros estudos empíricos (por exemplo Lamsfuß-Schenk, 2002) que as disciplinas curriculares também beneficiam do ensino em língua estrangeira.


Literatura relacionada
Lamsfuß-Schenk, S. (2002): "Geschichte und Sprache –Ist der bilinguale Geschichtsunterricht der Königsweg zum Geschichtsbewusstsein?" In Breidbach, S., Bach, G. & Wolff, D. (eds.): Bilingualer Sachfachunterricht: Didaktik, Lehrer-/Lernerforschung und Bildungspolitik zwischen Theorie und Empirie. Frankfurt: Lang, 191-206.

Marsh, D. (2002): CLIL/EMILE – The European Dimension: Actions, Trends and Foresight Potential. Bruxelles: The European Union.


Dieter Wolff
é Professor emérito no Processamento Aplicacional da Linguagem na Bergische Universität de Wuppertal. De entre as suas últimas grandes publicações na área do ensino curricular bilingue destaca-se a colectânea editada juntamente com David Marsh: Diverse Contexts – Converging Goals: CLIL in Europe, Frankfurt: Peter Lang 2007
Copyright: Goethe-Institut e. V., Online-Redaktion

Dúvidas sobre este artigo? Escreva-nos!
online-redaktion@goethe.de
Novembro 2007

Cursos na escola Red Brick, em São Paulo (jan/2010)



(Clique na imagem para ampliá-la)

Escolas bilíngues interculturais indígenas

Os dados do Censo Escolar de 2006, feito pelo MEC/INEP relatam um aumento de 4¨8% no número de escolas indígenas no Brasil. ´Havia em 2005 174.225 alunos matriculados nas 2.422 escolas, o que é um grande avanço.

Para ter acesso aos dados do INEP, siga o link abaixo, ou clique no título desta postagem para ser automaticamente redirecionado.
http://www.smec.salvador.ba.gov.br/site/documentos/espaco-virtual/espaco-dados-estatisticos/censo%20de%20educacao%20Escolar%20indigena.pdf

Escolas com currículo bilíngue opcional no Brasil

Centro Educacional Leonardo da Vinci
www.davinci.g12.br
R. Elias Tommasi Sobrinho, 154 - Sta. Lúcia - Vitória, ES
Fone: (27) 3334-6300

Centro de Ensino Médio Pastor Dohms
www.dohms.org.br/dohmsv2/complexo/historico/corpo.php
Rua Américo Vespúcio, 483 CEP: 90550-031 Porto Alegre/RS - Fone: (51)3357-3300
Travessa Alaska, 75 CEP: 91050-100 Porto Alegre/RS - Fone: (51)3344-0500
Rua Augusto Comte, 95 CEP: 91910-370 Porto Alegre/RS - Fone: Tel. (51)3241.3100
Rua Dario Borba Brossard, 56 CEP: 91180-620 Porto Alegre/RS - Fone: (51)3366.2497
Rua Santa Maria, 277 CEP: 95555-000 Capão da Canoa/RS - Fone: (51)3665-3066
Rua Alvaro Macedo, 125 CEP: 96180-000 Camaquã/RS - Fone: (51)3671 3597
Av. José Maia Filho, 1685 CEP: 95560-000 Torres/RS - Fone: (51)3626.1735
Rua Dr. Flores, 220 CEP: 91036-430 Alvorada/RS - Fone: (51)3443 5276
Rua Leonel Theodorico Alvim, 371 CEP: 95860-000 Taquari/RS - (51)3653 1145

Colégio Bom Jesus Aldeia
http://www.bomjesus.br/aldeia/atividades.asp
Unidades em RS, SC, PR e SP

Colégio Global - Escola Globinho
www.colegioglobal.com
Av. Prof. Alfonso Bovero, 456 - São Paulo - SP

Colégio Magister
www.colmagister.com.br
Av. Nossa Senhora do Sabará, 1300 - Jardim Marajoara - São Paulo - SP
CeFone: (11) 5633-4000
Av. Eng. Alberto de Zagottis, 1301 Jardim Marajoara - São Paulo - SP
Fone: (11) 5545-2000
Avenida Interlagos, 800 - Jardim Marajoara - São Paulo - SP
Fone: (11) 5524-1000

Colégio Metodista Americano
www.metodistadosul.edu.br/colegio_americano/nucleos/idiomas_apresentacao.php
Rua Dr. Lauro de Oliveira, 71 - Bairro Rio Branco - Porto Alegre-RS
Fone:(51)3316.1300

Colégio Visconde de Porto Seguro
www.portoseguro.org.br/curriculob.asp
Rua Floriano Peixoto Santos, 55 - Morumbi - São Paulo - SP - Fone: (11) 3749.3250
Rodovia Visconde de Porto Seguro, 5.701 Vale do Itamaracá - Valinhos - SP - Fone: (19) 3829-5000
Alameda Itatuba, S/N - Vale do Itamaracá - Valinhos - SP - Fone: (19)3829.5000
Rua Itapaiúna, 1355 - Panamby - São Paulo - SP - Fone: (11)3746-1600
Rua Itapaiúna, 1350 - Panamby - São Paulo - SP - Fone: (11) 3779-7700
Rua Leocádio Ferreira, 20 - Morumbi - São Paulo - SP - Fone: (11) 3749.3265Portinho Valinhos

Escola Verde
http://www.escolaverde.com.br
Rua Pêro Correia, 519 - Itararé - São Vicente - SP
Fone: (13) 3324-3624

IENH - Escolas Pindorama, Osvaldo Cruz e Fundação Evangélica
www.ienh.com.br
Rua Frederico Mentz, 71 - Hamburgo Velho - Novo Hamburgo - RS
Fone: (51) 3594.8040

Pueri Domus
www.pueridomus.br/executa.asp?url=globeducation/default_english.asp
Rua Verbo Divino, 993-A São Paulo – SP
Fone: (11) 5182-2155
Estrada Dr. Yojiro Takaoka, 3900 - Aldeia da Serra – SP
Tel.: (11) 4192-2430

Levantamento feito por Selma de Assis Moura
Agradecemos informações sobre outras escolas que oferecem currículo opcional bilíngue para ampliar e atualizar esta listagem. Por favor, envie comentário abaixo.

Escolas Internacionais no Brasil

ESCOLAS INTERNACIONAIS NO BRASIL

American School of Brasília
Av. L-2 Sul, SGAS Q-605-E - Brasilia - DF 70200
Fone: 61) 243-3237

American School of Rio de Janeiro
Estrada da Gávea, 132
Rio de Janeiro - RJ 22451-260
Fone:(21) 2512 9830

Associação Escola Graduada de São Paulo
http://www.graded.br/
Av. Giovanni Gronchi, 4710 - São Paulo - SP
Fone:(11)3747-4800

American School of Recife
Rua Sá e Souza, 408 - Boa Viagem - Recife - Pernambuco
Fone: (81)341-4716

Amazon Valley Academy
Caixa Postal 5170 Ag. Cabanagem - Belém, Pará 66613-970
Fone: (91) 245-2566

Amazonas English Academy - International School of Amazonas
Rua dos Igarapes 20 - Cond. Porto Marina Tauá - Ponta Negra - Manaus, Amazonas
Fone: 92) 658 2832

Brasilia International School
309/310 Asa Norte - Brasilia, DF
Fone:(61) 347-8846

Chapel International School – Escola Maria Imaculada
http://www.chapel.g12.br/
Caixa Postal 21293 – Brooklin - São Paulo - SP
Fone: 11) 5687-7455

Colégio Humboldt
http://www.humboldt.g12.br/
Av. Eng.º Alberto Kuhlmann, 525 Interlagos - São Paulo SP
Fone:( 11) 5686 4055

Escola Americana de Campinas (American School of Campinas)
Rua Cajamar, 35 - Chácara da Barra - Campinas - SP
Fone:(19) 2102-1011 / 2102-1016

Escola Italiana Eugenio Montale
Rua Dr. José Gustavo Busch, 75 - Parque Morumbi - São Paulo-SP
Fone 011-846.9141

Escola Suíço-Brasileira de São Paulo
http://www.virtual3w.com.br/esbsp/web/1024/deu/index.htm
R. Visconde de Porto Seguro, 391 - Alto da Boa Vista -São Paulo - SP
Tel: (11) 5548 6672

Escola Suíço-Brasileira do Rio de Janeiro
www.esb-rj.com.br
Rua Corrêa de Araújo, 81 - Barra da Tijuca - RJ
Fone: (21) 2493-0300
Rua Almirante Alexandrino, 2495 - Santa Teresa - Rio de Janeiro - RJ

Escola Árabe Islâmica Ibn Khaldon
R. Anália Franco, 121 São Paulo - SP

Escola Islâmica Brasileira
Vila Carrão - São Paulo
Fone: (11) 6781-0659

Escola Árabe Brasileira
Foz do Iguaçu - Paraná
Fone: 45) 573-1906

Escola Holandesa de São Paulo
www.nedschoolsaopaulo.com.br
Rua Job Lane 1030 - Jardim Petrópolis - Alto de Boa Vista - São Paulo - SP T/F: (11) 5522-9811 e: nedschoolsp@uol.com.br

Escola Americana de Belo Horizonte
Av. Deputado Cristovan Chiaradia, 120 - Buritis - Belo Horizonte, MG
Fone: 31)378-6700

Escola Internacional de Goiânia
http://www.escolainternacional.net

International School of Curitiba
Avenida Des. Hugo Simas, 1800 - Curitiba - PR
Fone:(41) 338 6611

Pan American School of Bahia
Caixa Postal 231
Salvador - Bahia 41.680-060
Tel: ++55 (71) 367-9099

Pan American School of Porto Alegre
Rua João Paetzel, 440 - Porto Alegre - RS
Fone: (51) 3334-5866

Pan American Christian Academy - PACA
Rua Cassio de Campos Nogueira, 393 São Paulo, SP
Fone: (11) 5928-9655 / 5928-9167

St. Paul's School
http://www.stpauls.br/
Rua Juquia 166, Jardim Paulistano - São Paulo - SP
Fone:(11) 3085-3399

St. Francis College
Rua Bélgica, 399 - Jd. Europa - São Paulo - SP
Tel/Fax: 11) 3082-7640

St. Nicholas School
Av. Eusébio Matoso, 333 – Pinheiros - São Paulo - SP
Fone:(11) 3814-1355

The British School of Rio de Janeiro
Rua Real Gradeza, 87
Botafogo
Rio de Janerio 22281-030
Fone: (21) 2539 2845

The Global School – Escola de Educação Internacional da Bahia
http://www.globalschool.com.br
Avenida Octávio Mangabeira 7869 Praia de Pituaçu - Salvador, Bahia
Fone: (71) 3461-1004

Levantamento feito por Selma de Assis Moura
Se perceber a falta de alguma escola, por favor envie sua sugestão como um comentário para mantermos a lista atualizada.

Escolas Bilíngues de prestígio no Brasil

NA CIDADE DE SÃO PAULO

Accrington Educação Infantil Bilíngüe (Português/Inglês)
http://www.accrington.com.br/
Rua João Ramalho, nº 115 - Perdizes

Alpha Jr / Pequeno Reino (Português/Inglês)
http://www.escolaalphajr.com.br/
Rua. Dr. Cardoso de Melo, 249 - Vila Olímpia
Rua João Lourenço, 229 - Vila Nova Conceição

Alphaville International School (Português/Inglês)
http://www.escolainternacional.com.br/
Av. Copacabana, 624 – Condomínio 18 do Forte Empresarial Alphaville - Barueri - SP

All Together (Português/Inglês)
http://www.alltogether.com.br/
Rua Suzano, 125 - Jardim Paulista

Beit Yaacov (Português/Inglês/Hebraico)
http://www.beityaacov.com.br/
Av. Marquês de São Vicente, 1748 - Barra Funda

Beit Kids - American Bilingual Preschool (Português/Inglês)
R. Prof João de Oliveira Torres, 445 - Jardim Anália Franco
11) 6673-7835

Be Living (Português/Inglês)
http://www.beliving.com.br/
Rua Salto, 98 – Jardim Paulista

BIS – Brazilian International School (Português/Inglês)
http://www.colegiobis.com.br
Rua Barão de Cotegipe, 111 – Granja Julieta

Bright Kids (Português/Inglês)
http://www.brightkids.com.br/
Al. Campinas, 1200-E - Jardim Paulista
Fones: (11)30515048 e 30573177

Blue Sky (Português/Inglês)
http://www.escolabluesky.com.br/
Rua Mal. Hastimphilo de Moura, 27 - Morumbi

Beacon School
http://www.beaconschool.com.br/
Rua Berlioz, 245 - Alto de Pinheiros
Fone: 8555-8414 / 2359-3459

Builders (Português/Inglês)
http://www.builders.com.br/
Rua Campevas, 432 – Perdizes -
Fone: (11) 3872-3999

Busy Bees (Português/Inglês)
http://www.busybees.com.br/
Rua Maurício F. Klabin, 318, Vila Mariana -
Telefones (11) 5083-2560 e 5572-1274

Colégio Brasil Canadá (Português/Inglês)
http://www.colegiobrasilcanada.com.br/
Rua Airosa Galvão, 127 – Perdizes
Rua Airosa Galvão, 19 – Água Branca

Colégio Global - Escola Globinho
www.colegioglobal.com
Av. Prof. Alfonso Bovero, 456

Colégio Oshiman (Português/Japonês)
http://www.oshiman.com.br/
Rua Ferdinando Galiani, s/nº - Vila Mariana
Fones: 5908-0019 e 5904-2456

Escola Americana Backyard Preschool (Português/Inglês)
http://www.escolaamericanabackyard.com.br/
Rua Alphonsus de Guimarães, 112 – Altos de Santana

Escola do Max (bilíngüe)
www.escoladomax.com.br
Rua Garapeba, 55 - Chácara Klabin
São Paulo - SP - 04116-210

Esfera – Escola Internacional (Português/Inglês)
http://www.escolaesfera.com.br/
Av. Anchieta, 908 – Jardim Esplanada - São José dos Campos
(12) 3942-8885

Future Kids American School (Português/Inglês)
http://www.futurekidspreschool.com.br/
Rua Nello Bini, 50 – Jardim Anália Franco

Gênesis School (Português/Inglês)
www.genesisschool.com.br/
Rua Groenlândia, 1828 – Jd América

Green Book School (Português/Inglês)
http://www.greenbook.com.br/
Rua José dos Santos Jr, 141 – Brooklin -
Fones: (11)5561-6716 e 5533-7386

Integration (Português/Inglês)
http://www.integrationschool.com.br/
Unidade Vila Olímpia: 3045-8302 ou 3045-5790 ou 3045-3110
Rua Fiandeiras, 135 – São Paulo – SP – CEP 04545-000
Unidade Morumbi: 3742-6100 e 3771-5815
Rua São Pedro Fourier, 189 – São Paulo

Global Me (Português/Inglês)
http://www.globalme.com.br/
Rua Colômbia, 66 – Jardim América
3085-9662 e 3083-4323

Kinder Kampus (Português/Inglês)
http://www.kinderkampus.com.br/
Rua Dep. João Sussumo Hirata, 480 – Morumbi
São Paulo – SP – CEP 05715-010

Kinder Village Educação Infantil Bilíngüe (Português/Inglês)
http://www.kindervillage.com.br/
Rua Constantino de Sousa, 308- Campo Belo
Fones: 5094-0704 ou 5094-0751

Kindy Kids Preschool (Inglês/Português)
http://www.kindykids.com.br/
Rua Canuto Abreu, 75 – Jd Anália Franco

Kindergarten Hansel und Gretel (Alemão/Português)
Rua Deputado Martinho Rodrigues, 139 04646-020 Alto da Boa Vista
Fones: 5548 9607 - 5542 2266 - 5561 0687
http://www.kindergartenhanselgretel.com.br/

Kinderwelt (Alemão/Português)
http://www.kinderwelt.com.br/
Rua Dr. Jesuíno de Abreu, 416 - Morumbi
Fones 3742-6893 / 3743-0219

Little’sCool (Inglês/Português)
http://www.littlescool.com/
Rua Domingos Lopes da Silva, 4 - Morumbi

Monica´s School (Inglês/Português)
http://www.monicasschool.com.br/
Rua Santo Aristides, 101 – Santo Amaro
Fone: 5686-5263

Oen Yotien (Japonês e Português)
http://www.oen.com.br/
Rua Conde do Irajá, 225 – Vila Mariana

PACA – Pan American Christian Academy (Inglês e Português)
http://www.paca.com.br/
Rua Cássio de Campos Nogueira, 393 – Jardim das Imbuias

Phantasialand (Inglês/Português)
http://www.phantasialand.com.br/
Rua São Benedito, 1634 – Alto da Boa Vista

Play´s Cool International School (Inglês e Português)
http://www.playiscool.com.br/
Av. Sumaré, 1898 – Perdizes
Fones: 3675-5666 e 3871-3255

Polilogos Escola Coreana Português/Coreano)
Rua Sólon, 1018 – Bom Retiro
Fone: 3224-0044

Puzzle Educação Infantil Bilíngüe (Português/Inglês)
http://www.escolapuzzle.com.br/
Rua Dr. Jesuíno Maciel, 919 – Campo Belo

Red Brick School (Português/Inglês)
http://www.redbrick.com.br/
Rua dos Chanés,152 – Moema

Stance Dual (Português/Inglês)
http://www.stance.com.br/
Rua Avanhandava, 682 – Consolação
Fones: 3255-2780 ou 3231-2583

Sun Port (Português/Inglês)
http://www.sunport.com.br/
Rua Xavier de Cravalho, 7 – Vila Sônia
Rua N. Sra dos Navegantes, 57 – Vila Sônia
Fones: 3751-8207 ou 3751-5784

Playpen – Escola Cidade Jardim (Português/Inglês)
http://www.playpen.com.br/
Praça Prof. Américo de Moura, 101 – Cidade Jardim
Fone: 3812-9122

See Saw – Panamby (Português/Inglês)
http://www.see-saw.com.br/
Rua Visconde de Nácar, - Morumbi
Fone: 3758-2241

Talk Kids
http://www.talkkids.com.br/
Rua Bento de Andrade, 84 - Ibirapuera - São Paulo
Fone: (11)3886-9010

Tree Top (Português/Inglês)
http://www.treetopschool.com.br/
Rua Araguari, 96 – Moema – V.N. Conceição
Fone: (11) 5536-5174

TTWICE Escola Bilíngüe (Português/Inglês)
http://www.ttwice.com.br/
Rua Canário, 762 - CEP 04521-003 - Moema
Fone: (11) 5051-8796

ESCOLAS BILÍNGUES EM OUTRAS CIDADES NO ESTADO DE SÃO PAULO

Colégio Múltiplo
www.colegiomultiplo.com.br
Rua das Margaridas, 900 - Chacará Primavera - Campinas - SP
Fone: (19) 3256-6724

Escola Blossom
Rua Pandiá Calógeras, 205 - Jd Esplanada - São José dos Campos - SP
Fone: (12) 3204-3000

Maple Bear (Inglês/Português)
http://www.maplebear.com.br/
Unidades em: Tatuapé - SP; Alphaville - SP; Sorocaba - SP

Tigrinhos Pré Escola Bilíngüe (Português/Inglês)
http://www.tigrinhos.com.br/
Rua Iguatemi, 584 Vila Brandina - Campinas - CEP 13092-500
Fone (19) 3254-6336 ou (19) 3252-0958

Tip Toe Alphaville´s Montessori School (Português/Inglês)
Tip Toe Alphaville’s Elementary School
http://www.tiptoeschool.com.br/
Estrada de Ipanema, 300 – Vila Velha - Santana de Parnaíba – SP – CEP 06532-145
Fone: 4154-1875

ESCOLAS BILÍNGUES NO RIO DE JANEIRO

Escola Bloom
www.escolabloom.com.br
Rua Dom Rosalvo Costa Rego, 400
Itanhangá, Rio de Janeiro – RJ
21) 3154-1544 / 3154-1545

Crianças e Cia - Educação Infantil e Ensino Fundamental
www.criancasecia.com.br
Av. Dom Helder Câmara 7817 - Abolição - Fone (21) 3274-5699
Endereço: Rua Sabóia Lima, No. 41- Tijuca - Fone (21)3234-1786

Miraflores
www.miraflores.com.br
Av. Cmte. Júlio de Moura, 150 - Barra da Tijuca - Fone: 21)2492-1788
Rua das Laranjeiras, 537 a 543 - Laranjeiras - Fone: 21)3235-2350

Ninho da Criança - Educação Infantil
http://www.ninhodacrianca.com.br/
Av. Min. Afrânio Costa, 201 – Barra da Tijuca
Fone: (21) 2429-2331

Petra
www.escolapetra.com.br
Rua Barão de Jaguaripe, 35 - Ipanema
Fone: (21) 2247-4405

Colégio Everest Internacional - Educação Infantil, Ensino Fundamental e Ensino Médio
www.colegioeverest.com.br
Fone: (21) 2493-2150 - 2493-3237
Rua Dom Rosalvo Costa de Janeiro

Bambini
Rua Redentor, 16 - Ipanema
Fone: 2247-4590 - 2247-6966

ESCOLAS BILÍNGUES EM BRASÍLIA

Escola das Nações – School of the Nations
www.edn.org.br

ESCOLAS BILÍNGUES NO CEARÁ

Sandbox
http://www.sandbox3.com/
Rua Marcos Macedo, 1485 - Aldeota - Fortaleza - CE

ESCOLAS BILÍNGUES EM GOIÁS

Colégio Integrado Jaó
www.colegiojao.com.br
Alameda Quitandinha - 620 - Setor Jaó – Goiânia - Goiás
Fone: (62)269-8009

ESCOLAS BILÍNGUES EM MINAS GERAIS
Saci Pererê
www.sacidiretriz.com.br
Rua do Carmelo, 57 - Paineiras - Juiz de Fora - MG
CEP: 36016 - 020
Tel: (32) 3215-7658
sacidiretriz@saci.com.br

ESCOLAS BILÍNGUES NA BAHIA

Panamericana
www.paspanthers.org.br/indexeng.htm
info@escolapanamericana.com

ESCOLAS BILÍNGUES NO PARANÁ

Kinderland - português e alemão)
www.kinderlandcuritiba.com.br
Av. Desembargador Hugo Simas, 2001 - Tel: 3016 5597
R. Deputado Olívio Belich, 46 - Tel: 3584 1197

Obs:
Levantamento feito por Selma de Assis Moura
Se perceber a ausência de alguma escola, envie um comentário com sua sugestão para mantermos esta lista completa e atualizada.

quinta-feira, 10 de dezembro de 2009

Pós em Didática da Educação Bilíngue



Estão abertas as inscrições para a Pós-Graduação Lato-Sensu e Extensão Universitária
http://www.singularidades.com.br/_pgra_edbi.html

O curso em Didática para a Educação Bilíngüe visa oferecer conteúdos sobre o que é a educação bilíngüe, assim como procedimentos de ensino e estratégias didáticas favoráveis à aprendizagem em mais de um idioma.

O público-alvo são professores, coordenadores pedagógicos e diretores de escola.

A Pós-graduação Lato-Sensu tem carga horária total de 360 horas que deverá ser cumprida em 24 meses.

Cada Módulo cursado individualmente confere certificação de Extensão Universitária.

Equipe de docentes titulados e especialistas na área.

MÓDULOS

- Revisitando as Teorias de Ensino e Aprendizagem
- Teorias de Aquisição de L1 e L2
- Infância, Cultura e Sociedade: O Contexto Global
- Epistemologia da Língua Escrita
- Didática do Ensino de Línguas Estrangeiras
- Currículo Integrado: Interdisciplinaridade e Transdisciplinariedade
- Letramento no Ensino de Língua Estrangeira
- A sociedade Global e a Diversidade – Trabalhando com Famílias
- Identidade, Subjetividade, Afetividade e Cultura em Educação Bilíngüe
- Perspectivas Internacionais em Educação Bilíngüe
- Prática Supervisionada + Metodologia de Pesquisa para Elaboração de Monografia
- Didática do Ensino Superior

Horário de aulas: quinzenais aos sábados, de 8h30 às 17h30.
Maiores informações em http://www.singularidades.com.br